11/02/2014

Polícia Civil prende idoso suspeito de aplicar golpes contra prefeitos do RN


Ex-funcionário da Assembleia Legislativa estava foragido desde dezembro. Dois homens também foram presos no ano passado pelos crimes. 

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte prendeu na tarde desta segunda-feira (10) um idoso de 68 anos suspeito de aplicar golpes em prefeitos, empresários e grandes comerciantes do Rio Grande do Norte. 

O homem, que é ex-funcionário da Assembleia Legislativa, foi preso enquanto jogava cartas no bairro Cidade Alta, na zona Leste de Natal. Ele estava foragido desde o dia 30 de dezembro, quando a Delegacia Especializada em Falsificações e Defraudações (DEFD) deflagrou uma operação e prendeu dois outros envolvidos nas fraudes. O idoso nega os crimes. 

De acordo com o delegado Júlio César Costa, titular da DEFD, o homem preso nesta segunda e os outros dois suspeitos usaram nomes de várias autoridades do estado - e até mesmo se passaram por elas - para pedir dinheiro sob o argumento de que uma criança teria leucemia e necessitava de tratamento urgente. O idoso, segundo o delegado, era responsável por fornecer as contas bancárias nas quais era depositado o dinheiro das fraudes. "O suspeito estava foragido desde a operação. Sabíamos que ele gostava de jogar cartas em um local do bairro. Fizemos o monitoramento e o prendemos", explica Júlio César Costa. Assessor parlamentar de um deputado estadual, ele foi exonerado do cargo após a descoberta das investigações. 

O delegado acrescenta que o mentor do esquema era Edilson Genésio da Silva, de 33 anos, preso durante a operação junto com João Maria Augusto da Silva, de 50 anos. No depoimento dado na DEFD, Edilson Genésio da Silva admitiu que para realizar os estelionatos usou os nomes do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Paulo Roberto Chaves Alves, do conselheiro aposentado do TCE, Valério Alfredo Mesquita, do coordenador estadual do Procon, Ney Lopes de Souza Júnior, e do desembargador do Tribunal de Justiça do RN (TJRN), Manoel Cláudio Amorim dos Santos.

O interrogado informou que fez contatos telefônicos com vários prefeitos do estado, mas só conseguiu consumar os golpes com cerca de oito a dez vítimas, citando os chefes do Executivo Municipal das cidades de Brejinho, Passagem e Porto do Mangue. Edílson também assume ter enviado o outro suspeito preso, João Maria Agusto da Silva, para pegar R$ 2.800 com um representante do prefeito de Touros, Ney Rocha Leite.

Na maioria dos casos, ainda de acordo com o delegado, a quantia solicitada pelo grupo foi de R$ 2.800, "mas teve prefeito que chegou a dar R$ 5.400 acreditando estar praticando uma boa ação", revelou. "O valor total arrecadado pelos suspeitos ainda é incerto. Mas temos relatos e depoimentos que comprovam que pelo menos 15 vítimas, entre prefeitos, empresários e grandes comerciantes, fizeram o repasse de dinheiro para o grupo", acrescentou.

O titular da DEDF afirmou que os suspeitos presos serão indiciados por estelionato e associação criminosa - como passou a ser denominada a prática de formação de quadrilha. Os mandados de prisão preventiva cumpridos nesta segunda-feira foram expedidos pela juíza Emanuella Cristina Pereira Fernandes, titular da 4ª Vara Criminal de Natal. 




Anterior Proxima Página inicial
Postar um comentário