27/07/2015

Com estiagem prolongada, pragas atacam cajueiros no Oeste potiguar


A castanha de caju é a principal atividade econômica do município de Severiano Melo, no Oeste do Rio Grande do Norte. Porém, a estiagem prolongada tem modificado a paisagem da região. No lugar de árvores verdes, estão cajueiros acinzentados. Pior que isso: o tempo quente e seco favorece o aparecimento de pragas. A infestação da 'mosca branca' traz preocupação aos agricultores. Cerca de 80% dos produtores do município lutam contra o fungo. É o que mostra matéria exibida nesta segunda-feira (22) pela Inter TV Cabugi.

A média histórica para a região é de 700 milímetros de chuva, mas em 2014 as precipitações ficaram abaixo dos 500 milímetros. Este ano, choveu pouco mais de 280 milímetros até agora. A esperança do produtor rural José Gomes de Melo era de que, com o período chuvoso, os insetos diminuíssem. Mas, como as chuvas praticamente não aconteceram, o problema só cresceu. "Com o cajueiro gigante, não há possibilidade de pulverizar", disse.

O pomar de José fica no sítio Morada Nova, com 110 hectares. Há cinco anos a média de produção era de 60 mil quilos de castanha. Mas com os anos seguidos de seca, a produção teve queda. Em 2014, a safra não passou de 2 mil quilos. Este ano, com a infestação da praga, a produção deve cair ainda mais. "Elas chupam a seiva do cajueiro todo, e isso mata o cajueiro", explicou.
No sítio Baixa do Açudinho, também na região rural de Severiano Melo, o cenário não é diferente. Os pés de caju foram atacados pelas moscas brancas. É uma preocupação para Jacinto, que investe na cajucultura há mais de dez anos. "A falta de chuva é o principal ponto para que ela ataque. Quando você chega de manhã, você já vê ela voando. Por sinal, ela chega até na casa da gente", disse Jacinto Carvalho.

A forma adulta do inseto é semelhante a de uma pequena borboleta de cor branca. As mais jovens ficam presas às folhas. As moscas sugam a seiva do cajueiro, favorecendo o surgimento da fumagina, outro tipo de fungo. Sem o controle adequado, a ação dos dois fungos pode matar a planta. 
A mosca branca aparece no período da floração. Como o Rio Grande do Norte já está no quarto ano de estiagem, a incidência do inseto é ainda maior. Quanto maior a incidência da praga, menor a produtividade. A redução pode chegar a 60%.

Rodrigo Carlos é agrônomo e orienta os produtores de Severiano Melo a fazerem o controle das pragas. Os cajueiros da propriedade de Jacinto Carvalho já receberam a primeira aplicação de uma mistura preparada com água, óleo vegetal e detergente. Uma aplicação é o suficiente, mas se o produtor observar que a infestação continua, pode reaplicar o produto quinze dias depois. O ideal é pulverizar nas horas menos quentes para não queimar as folhas.
Anterior Proxima Página inicial