21/08/2014

Imagem do avião em queda sugere falha humana como causa do acidente que matou Eduardo Campos



Imagens registradas por câmeras de um prédio em construção apontam para falha humana como fator que contribuiu para a queda do avião em Santos (SP) no dia 13 de agosto, segundo dois especialistas ouvidos pelo G1. O vídeo mostra o momento exato da queda que matou o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, e mais seis pessoas. Outro analista acredita em uma conjunção de fatores.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), responsável pela apuração do acidente, diz que “desorientação espacial” dos pilotos e o uso de equipamentos nas asas que reduzem a velocidade após a arremetida estão entre as possibilidades investigadas.

As imagens obtidas com exclusividade pela TV Tribuna, afiliada da Rede Globo (veja acima), mostram o jato com o nariz para baixo. Depois disso, atrás de outro prédio, é possível ver a fumaça por causa do incêndio. As câmeras estão instaladas a cerca de 500 metros do local do acidente.

O presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), Marcelo Cerriotti, acredita que o mau tempo na manhã do acidente tenha desorientado a tripulação do jato Citation 560 XL.

“A hipótese de 'desorientação espacial' se torna cada vez mais real. É uma imagem de uma aeronave fora de controle. No avião é tudo muito rápido e pelas condições meteorológicas, ele estaria só com a visualização dos equipamentos, sem a linha de horizonte, a cerca de 200 nós [370 km/h]", disse.

O presidente da Associação dos Pilotos e Proprietários de Aeronaves (APPA), George William Sucupira concorda que uma dificuldade de manobra da aeronave possa ter contribuído para a queda, mas não vê a desorientação espacial como um fator.

“Eu não acredito que pela experiência dos pilotos tenha sido uma desorientação espacial. Eles estavam enxergando pela camada de nuvens. A imagem demonstra que o avião caiu com o nariz para baixo, na vertical. Fez um buraco e depois quebrou para frente. As peças ficaram totalmente destruídas, o que indica que houve acúmulo de velocidade, aliado ao acionamento dos flaps [instrumentos na asa que reduzem a velocidade de aviões] e queda de nariz”. O mergulho abrupto durante o recolhimento de flaps é arriscado, segundo o fabricante do jato envolvido no acidente.


A "desorientação espacial" ocorre em condições com visibilidade ruim, em que o piloto é levado a crer que a aeronave está em uma direção pelos instrumentos, mas está em outra. Na possibilidade de isso ter acontecido, o comandante do jato em que estava Campos, dentro da nuvem, não percebeu que o avião estava indo para a esquerda, e forçou ainda mais a curva. A aeronave ficou, então, em posição de "faca" com as asas na vertical, provocando uma queda brusca.


O especialista em segurança de voo Ricardo Chilelli defende a conjunção de fatores para um acidente como o de Santos. “Se ele tivesse com condições meteorológicas boas e pudesse fazer o pouso no visual, possivelmente o avião teria aterrissado. Mas ele decide arremeter e faz o que prevê a carta de voo, mas não consegue retornar à posição para tentar um novo pouso. O mau tempo é o primeiro quesito que contribuiu”, afirmou.

“Quando está em baixa altitude, o poder de manobra e de reação diminui. Têm aeronaves que são mais fáceis, outras mais complicadas de manobras em situações adversas”, afirma Chilelli. Somente a investigação do Cenipa vai apontar o ângulo exato da queda e colisão com o solo.


O professor da escola politécnica da USP Julio Meneghini disse ao Jornal Nacional que a velocidade da queda foi de 170 nós aeronáuticos, ou seja, 314 km/h e que a imagem não é capaz de explicar é porque o avião aparece com o nariz apontado para baixo. Além da hipótese de erro humano e a influência do mau tempo, falha mecânica também é investigada como fator para a queda.


Sem instrumentos
O especialista Ricardo Chieli também aponta como outro fator de dificuldade a falta do sistema por instrumentos, conhecido pela sigla ILS (sigla Instrument Landing System, em inglês), que dá uma orientação precisa ao avião que esteja na fase de aproximação da pista. Sinais de rádio são transmitidos à aeronave, processados e apresentados nos instrumentos de bordo do avião, fornecendo dados para alinhamento com o eixo da pista e com a trajetória correta de planeio para o pouso. A base aérea de Santos não possui esses sistema e os equipamentos usados pelos pilotos são apenas os da própria aeronave.


O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos informou em nota que já realizou a leitura do gravador de voz da aeronave, análise inicial dos motores e coleta de informações e documentos junto às empresas que fizeram a manutenção do avião. Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), as duas horas de áudio da caixa-preta do jato não são do voo de Eduardo Campos e sim de um outro voo realizado dias antes.

A Aeronáutica informou na terça-feira ter constatado que o jato particular em que viajava o ex-governador de Pernambuco estava com o trem de pouso e os flaps recolhidos. O trem de pouso é composto por equipamentos e pneus para permitir a aterrisagem de aeronaves e os flaps são instrumentos na asa que reduzem a velocidade de aviões.

Reportagem publicada na terça no jornal "Folha de S.Paulo" revela que a Cessna, fabricante do jato Citation 560 XL, o mesmo modelo em que Campos viajava, alertou para o risco de a aeronave mergulhar abruptamente durante o recolhimento dos flaps em subidas e arremetidas.

Condições do voo
A visibilidade era de 3 mil metros, considerada dentro dos padrões na carta prevista para o pouso. Próximo à base aérea, as camadas de nuvens mais baixas estavam a 240 metros de altitude, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A fadiga dos pilotos também é uma das hipóteses levantadas como fator para falha humana no acidente. O Sindicato Nacional dos Aeronautas quer que os peritos do Cenipa apurem se o cansaço relatado pelo piloto Marcos Martins em uma rede social na internet pode ter contribuído para o acidente.
Anterior Proxima Página inicial