26/07/2016

APODI (RN): Movimentos sociais realizam ato público em defesa do Aquífero Jandaíra


Por Clara Cavalcanti

Nesta quarta-feira (27), entidades e movimentos sociais com atuação no Rio Grande do Norte e Ceará organizam um ato público, em Apodi, com o objetivo de chamar atenção do Poder Público e da sociedade para a “privatização” do Aquífero Jandaíra, considerado a segunda maior reserva de água subterrânea dos dois estados. A abertura irregular e desenfreada de poços por empresas fruticultoras na Chapada do Apodi, especialmente do lado do Ceará, tem provocado a contaminação das águas subterrâneas por agrotóxicos e a escassez de água nas pequenas propriedades rurais voltadas à agricultura familiar. A concentração do ato acontece a partir das 7h30, em frente ao Posto de Bebel, na entrada do município potiguar.

Segundo o coordenador da ONG Diaconia, Leonardo Freitas, “os problemas de recarga do Aquífero iniciaram entre 2010 e 2011, mas, mesmo ciente desse cenário, as companhias responsáveis pela gestão dos recursos hídricos não tomaram nenhuma atitude para suspender ou reavaliar as outorgas de uso da água já concedidas. A partir daí, poços de pequenos agricultores começaram a secar, provocando a perda da produção. Muitos já deixaram as suas terras, estão sendo expulsos ou sofrem pressão para vendê-las por valores irrisórios”, denuncia.

A situação é ainda mais preocupante com o avanço do Perímetro Irrigado da Chapada do Apodi, denominado de o “Projeto da Morte”, que estabeleceu desapropriação de 13.855 hectares para implantação de um programa de fruticultura irrigada, contralado por empresas do Agronegócio, o que demandará uso intensivo de agrotóxico, incluindo com pulverização área, e alto consumo de água. A implantação do Perímetro deve forçar o deslocamento de cerca de seis mil agricultores que vivem em 30 comunidades locais há mais de 50 anos.

Além de desarticular a experiência agroecológica e de agricultura familiar no Território, o projeto do Perímetro, segundo o coordenador, é “hidricamente inviável”, já que este tipo de projeto expropria e esgota as condições do ambiente e comprometerá o Aquífero. “A experiência pelo Brasil demonstra que projetos de monocultivo têm vida útil entre cinco anos e dez anos. No caso do Perímetro, representa o mal uso de R$ 280 mil dos cofres públicos, valor orçado até o momento”, complementa.

Comitê - Desde maio, diversas entidades e movimentos sociais atuantes na região, dentre elas a Diaconia, somam forças no “Comitê Popular Interestadual das Águas do RN e CE”, um fórum popular de resistência frente às violações dos recursos naturais, sobretudo do Aquífero Jandaíra. “A água é um bem comum, mas as empresas do agronegócio estão privatizando esse direito fundamental à vida, penalizando os pequenos agricultores e camponeses. Nossa luta é pela vida e por direitos. Não aceitamos nenhum poço a mais”, afirma Freitas.

Assessora de Comunicação – D I A C O N I A
Anterior Proxima Página inicial
Postar um comentário