26/06/2015

POLÍCIA INDICIA TRÊS POR VAZAMENTO DE IMAGENS DO CORPO DE CRISTIANO ARAUJO


A Polícia Civil indiciou três pessoas pelo vazamento de fotos e vídeos em redes sociais do momento em que o corpo do cantor Cristiano Araújo, que morreu em um acidente de carro na BR-153, em Goiás, era preparado para o sepultamento. De acordo com o delegado Eli José de Oliveira, do 4º Distrito Policial de Goiânia, elas vão responder pelo crime de vilipendiar cadáver (desrespeito ao corpo), com pena que vai de um a três anos de prisão.

"São os dois funcionários da Clínica Oeste, onde o corpo foi preparado, e uma terceira pessoa que foi a responsável por divulgar as imagens", disse Oliveira .

Segundo o delegado, os indiciados, cujas identidades ainda não foram reveladas, foram ouvidos na quinta-feira (25) e liberados em seguida. "Nós conseguimos os esclarecimentos que precisávamos e não há dúvidas de que os funcionários da clínica, um casal, fizeram essas imagens sozinhos. O outro vai responder pelo crime de ter disseminado [as imagens]", destacou.Em uma das fotos, o cantor aparece com hematomas no rosto e, na outra, ele está com o terno que vestia quando foi sepultado. Já o vídeomostra o processo de preparação do corpo.

Oliveira ressaltou que inquérito sobre o caso já está em fase final de conclusão. A responsabilidade da clínica ainda está sendo apurada. "Até agora o estabelecimento alega que tem um regimento interno rigoroso, no qual os funcionários assinam termos em que assumem a responsabilidade de não expor os corpos. De qualquer forma, ainda analisamos essa questão e estamos no aguardo de documentos que eles teriam assinado".

Na manhã desta sexta-feira (26), a assessoria de imprensa da clínica confirmou ao G1 que os funcionários já foram demitidos.

Em nota, a Clínica Oeste afirmou que repudia a ação dos empregados. O estabelecimento disse ainda que toda equipe assina documentos de Ordem de Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho, que proíbem que qualquer etapa dos procedimentos feitos seja gravada, fotografada e, principalmente, divulgada.
"Diante do erro cometido por dois funcionários de seu quadro profissional, a clínica informa que não é conivente com este tipo de conduta e que já tomou as providências legais para demitir os funcionários por justa causa. A Clínica Oeste existe há quatro anos e reitera seu compromisso com a ética, a transparência, o zelo pela prestação do serviço e o respeito às famílias, e se solidariza com todos os que, como ela, repudiam tal ato", destacou o texto.


Na quinta-feira, o diretor de comunicação do cantor Cristiano Araújo, Rafael Vannucci, disse que os advogados que cuidavam da carreira do artista irão analisar o vazamento nas redes sociais de fotos e vídeo feitos durante a preparação do corpo para o velório e o sepultamento. Ele explicou que ainda não viu as imagens, mas que já ouviu comentários sobre o caso."O escritório do Cristiano Araújo, o CA Produções Artísticas, vai analisar os fatos e zelar pela imagem dele mesmo após a sua morte. Vamos tentar agir da melhor forma possível, mas a decisão de fazer qualquer coisa é da família", explicou.

Instituto Médico Legal
Ao G1, o médico legista Peterson Freitas Moreira, diretor clínico do Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia, disse que os registros não foram feitos dentro do órgão. Ele, inclusive, disse estar "indignado" com a situação.

"Isso é um absurdo. Ficamos sabendo do vazamento há poucas horas. O vídeo não foi feito aqui. Os dois funcionários que aparecem não trabalham no IML. Além disso, no caso das fotos, não somos nós quem vestimos os corpos", enfatizou.

O médico explicou ainda que, no caso do sertanejo, foi necessário analisar o corpo, mas nenhum órgão foi retirado. Ele revela que participou da necropsia de Cristiano com mais dois profissionais e que nenhum estava com celulares. Além disso, um policial fazia a segurança da sala.

Segundo Peterson, em alguns casos, é preciso fotografar o corpo como forma de comprovar laudos e documentos. Porém, isso é feito de forma profissional e somente para interesse do IML. "Se um servidor age desta forma, ele tem que responder um processo administrativo, podendo até ser expulso do órgão", informa.

Em nota, a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária já havia informado que a Polícia Civil já concluiu que as imagens não foram feitas no IML e aponta que o local onde o vídeo foi feito pode ser a sala de um estabelecimento de preparação de corpos para velório e sepultamento.

G1/GO
Anterior Proxima Página inicial